VISITE VIZELA

Alfredo Pinto um herói que não temeu o rio e hoje parte

Aquela que terá sido a maior tragédia de sempre ocorrida no rio Vizela envolveu a morte de duas irmãs com cerca de 12 anos cada. Foram apanhadas por um remoínho ("corropío") em agosto de 1947 numa das áreas mais perigosas do rio Vizela daquele tempo conhecida por "Rio Marinho" junto a Vilar-S. João. Alfredo "Saleira" foi o único com coragem para mergulhar e trazer os corpos à superfície. O seu funeral realiza-se esta tarde em S. João das Caldas.


Alfredo Pinto contava que até os próprios bombeiros (naquela altura não tão preparados como hoje) tiveram medo de se lançar à água e foi ele que pediu uns calções emprestados a quem estava na margem (para onde se deslocaram muitos populares) e se lançou à água. «Quando vim à superfície trouxe uma menina em cada braço. Já não as consegui salvar».
As meninas brincavam no rio até que uma foi puxada pelo remoínho. A outra quis salvar a irmã e acabou também por afogar. «Estavam abraçadas no fundo do rio. Ali havia muita profundidade, apesar de ser agosto» - recordava Alfredo Pinto
As duas meninas eram irmãs do falecido pai de Manuel Marques, fundador deste órgão de informação e do falecido pai de José Manuel Pinto Marques ferveroso vizelense a residir em Viana e de Rita Marques residente na rua principal de Vizela.

Alfredo "Saleira", um doa fundadores do Grupo Amigos da Ponte Velha, foi sempre visto com um herói por todos aqueles que conheceram a sua façanha altruísta e destemida em tentar salvar as duas meninas irmãs.
Morou durante muitos anos na rua Latino Coelho mas também chegou a viver junto à Ponte Romana. Quem passar por lá ainda pode ler no chão a data de 1/4/1962 referente à grande cheia do rio Vizela que ele fez questão de gravar em cimento fresco. 
Alfredo "Saleira", vai hoje a sepultar pelas 15 horas em S. João das Caldas-Vizela, aos 88 anos de idade.
Condolências a toda a família, nomeadamente aos seus filhos Romana, Avelino, Fernanda e Aurora.