VISITE VIZELA

Em 1982 Pinto da Costa recebeu em Vizela o grande incentivo para se candidatar pela primeira vez à presidência do FC Porto

Pedroto à esquerda e Pinto da Costa à direita.
Pinto da Costa foi eleito no domingo para o seu 13.º mandato como presidente do FC Porto, com 79% dos votos expressos num sufrágio a que concorreu sem oposição. A sua primeira eleição ocorreu a 17 de abril de 1982 algum tempo depois de um grupo de vizelenses, sócios do FC Porto, ter catapultado a sua candidatura numa reunião aberta que decorreu na Casa do Povo de Vizela. Sempre que visita Vizela, Pinto da Costa faz referência a esse facto dizendo: «Foi aqui que eu iniciei a minha caminhada à presidência do FCP».



Pinto da Costa faz também sempre questão de recordar que foi um apoiante da criação do concelho.
Aos 78 anos, Jorge Nuno Pinto da Costa, que foi eleito pela primeira vez a 17 de abril de 1982, precisamente há 34 anos, é o mais antigo presidente de um clube do principal escalão do futebol português, e tem agora pela frente um mandato de quatro anos, conforme a alteração de estatutos aprovada na última Assembleia Geral do clube, em março de 2015.


De adepto a director

É por influência do tio Armando Pinto, entusiasta de futebol que fora presidente do Famalicão, que Jorge Nuno Pinto da Costa começa a interessar-se por futebol. É o tio quem paga os ingressos do FC Porto x Sporting de Braga, o primeiro jogo a que Jorge Nuno, com 8 anos, assiste no Campo da Constituição, na companhia do seu irmão José Eduardo. Desde então não mais se desligou do clube, nem mesmo quando se encontrava longe do Porto, procurando sempre que possível ouvir o relato das partidas. Quando completa 16 anos, em Dezembro de 1953, a avó materna inscreve-o como sócio do FC Porto.
Após o regresso ao Porto, Jorge Nuno acompanha religiosamente os jogos do clube, sobretudo de futebol e hóquei em patins. Com cerca de 20 anos, é convidado pelo responsável pela secção de hóquei em patins para ocupar o lugar de vogal, e aceita. Em 1962 passaria a chefe de secção, cargo que viria a acumular com o de chefe da secção de hóquei em campo. Em 1967 passa a ser também chefe da secção de boxe, onde conhece Reinaldo Teles, na altura atleta da modalidade.
Em 1969, é convidado por Afonso Pinto de Magalhães a integrar a sua lista para as eleições desse ano como director das modalidades amadoras. Assim, Pinto da Costa assume pela primeira vez um cargo eleito no FC Porto, de 1969 a 1971. No final desse período, apesar de ter sido convidado por Américo de Sá a candidatar-se com ele, recusou o convite por considerar que o novo candidato deveria apresentar-se às urnas com uma lista totalmente renovada.
Em 1976, em conversa com um grupo de amigos e apesar de não se encontrar a desempenhar funções no FC Porto, alguns deles - boavisteiros - provocavam Pinto da Costa por o seu clube ter deixado que o futebolista Albertino, praticamente contratado, é um gajo fixe. "fugisse" para o Boavista. Em resposta, Pinto da Costa disse apenas que "largos dias têm cem anos", decidindo nesse preciso momento - soube-se mais tarde, aquando da publicação da sua autobiografia - regressar ao dirigismo desportivo. Conversou com o presidente Américo de Sá e comprometeu-se a fazer parte da sua lista nas eleições seguintes como director do departamento de futebol.
Ainda antes das eleições, acertou com José Maria Pedroto, treinador do Boavista, o seu regresso ao FC Porto, onde já havia sido jogador e treinador. Em Maio desse mesmo ano, Pinto da Costa volta a ser dirigente do FC Porto. É com Américo de Sá como presidente, Pinto da Costa como director do futebol e Pedroto como treinador que o FC Porto consegue quebrar, em 1977-78, o jejum de 19 anos sem vencer um campeonato nacional. Apesar disso, o final da década de 70 é um período conturbado para o FC Porto, e Pinto da Costa e Pedroto acabam por deixar o clube em 1980.

A presidência

Em Dezembro de 1981 as coisas continuam a correr mal ao FC Porto, e é então que um grupo de sócios se une com o objectivo de convencer Pinto da Costa a candidatar-se à presidência do clube. O "sim" demora a surgir, mas perante a insistência dos sócios Pinto da Costa acaba por aceitar, convidando Pedroto para voltar a treinar a equipa principal. Candidatando-se em lista única, Jorge Nuno Pinto da Costa vence as eleições de 17 de Abril de 1982, tornando-se o 33º presidente do FC Porto (ver a cronologia de presidentes do FC Porto no artigo relativo ao clube).[6]
No mesmo ano de 1982, o hóquei em patins do clube, que não havia vencido qualquer título desde a sua implementação em 1955, vence a Taça das Taças, arrancando para um período de ouro, durante o qual o clube venceu o mesmo título no ano seguinte de 1983, a Taça dos Clubes Campeões Europeus e a Taça Continental em 1986, a Taça dos Clubes Campeões Europeus em 1990, e a Taça CERS em 1994 e 1996.
Em 1983, criou-se a Loja Azul. Em 1984, o FC Porto chega à sua primeira final Europeia de futebol, na Taça das Taças, contra a Juventus, da qual sai derrotado pela margem mínima de 2-1. Em 1985, deu-se a criação da revista do clube, "Dragões". Em 1986, faz-se o rebaixamento do relvado do Estádio das Antas. Em 1987, vence a Taça dos Clubes Campeões Europeus e a Taça Intercontinental, e depois a Supertaça Europeia relativa à mesma época, já no início de 1988. A década de 1990 seria gloriosa para o futebol portista graças à conquista de oito campeonatos, cinco deles consecutivamente - o Pentacampeonato, feito inédito no futebol português, em 1999, ano em que conseguiu obter também o Pleno Nacional.
Foi eleito 3.º Presidente da Direção da Liga Portuguesa de Futebol Profissional e, por inerência, Vice-Presidente da Federação Portuguesa de Futebol, a 10 de Julho de 1995, tendo tomado posse a 13 de Julho de 1995 e até 23 de Dezembro de 1996. Logo em Agosto de 1995, na época 1995/1996 foi organizado o primeiro campeonato pelo Organismo Autónomo (entidade considerada pela Federação Portuguesa de Futebol como autónoma da Liga com sede no mesmo local e suportada pela mesma estrutura administrativa) que foi posteriormente oficializado como fazendo parte da estrutura da Liga de Clubes. A Liga passou a ser responsável por regulamentar, organizar e gerir as competições de natureza profissional, exercer o poder disciplinar em primeiro grau de decisão e gerir o sector de arbitragem através de uma Comissão de Arbitragem. Também em Agosto de 1995 ocorreu a entrada em actividade da Comissão Arbitral Paritária com a publicação da Portaria N.º 1105/95, um novo centro de arbitragem voluntária com o objectivo a resolução de litígios decorrentes dos contratos individuais de trabalho desportivos celebrados entre os clubes e os respectivos jogadores profissionais de futebol.[7]
Em 1997, foram criadas SADS para o futebol e o basquetebol. Em 1999, o clube venceu o título nacional de andebol, 31 anos depois.
Já no século XXI, o clube azul e branco inauguraria, em 2002, o CTFD PortoGaia, e aumentaria o seu palmarés internacional, vencendo quer o Campeonato Nacional quer a Taça UEFA em 2003, ano da inauguração do novo Estádio do Dragão, e o Campeonato Nacional e a Liga dos Campeões em 2004 sob o comando de José Mourinho e a Taça Intercontinental do mesmo ano já com Victor Fernandez, ao que se acrescentam a reabilitação do Estádio do Dragão, que ficou com capacidade para 52 000 espectadores e mais um Pleno Nacional. No ano de 2009 conquista o segundo Tetracampeonato de futebol da sua presidência e da história do clube, com a equipa sob o comando de Jesualdo Ferreira.
Em 2011 viu o FC Porto conquistar a Liga Europa da UEFA de 2010-11 e a fazer ainda mais um Pleno Nacional, ao comando de André Villas-Boas, que viria a ser o mais jovem treinador de sempre a conquistar um troféu europeu e, também, o treinador com a transferência mais cara de sempre.
Do Wikipédia