VISITE VIZELA

Câmara Municipal de Vizela lança comunicado contra órgãos de informação locais

Comunicado distribuído critica a Rádio Vizela e ao RVJornal acusando-os de estarem «ao serviço de uma putativa candidatura». A direção deste órgãos de informação locais exige que a Câmara se retrate.


COMUNICADO DA CÂMARA

"Câmara Municipal exige isenção jornalística" 

A Câmara Municipal de Vizela vem por este meio manifestar o seu desagrado pelo facto de, nos últimos quatro meses, o único órgão de comunicação social escrito e rádio do Concelho, esteja ao serviço de uma putativa candidatura.

A gota de água surge hoje no título publicado no site da rádio Vizela “Oposição "salva" edil de moção de censura da bancada PS”, quando, na realidade, deveria ser “moção morreu na praia”, conforme refere a parte final do texto da notícia. Mais uma vez se denota que este órgão de comunicação social local faz manchete com títulos sensacionalistas. Para além disso, tem também sido prática deste órgão de comunicação social local fazer notícias de qualquer assunto, sem conceder o direito ao contraditório e ao apuramento dos factos.

E, falando de factos, a pretendida apresentação da moção na última sessão da Assembleia Municipal seria sempre um ato inócuo e absurdo, sem consequências práticas, considerada a legitimidade direta de cada órgão autárquico.

O Presidente da Câmara Municipal de Vizela,
Dinis Manuel da Silva Costa
28 de setembro de 2016 
---------------------------------------------------------------------

Resposta da Rádio Vizela (publicada no seu site)

Rádio Vizela refuta acusações
 
Após a receção deste comunicado, ao Departamento de Informação da Rádio Vizela só cabe lamentar e refutar veementemente todas as acusações de que é alvo. 
Em 30 anos de atividade sempre se pautou por princípios de isenção e pluralismo e prova disso é a inexistência de processos que penalizem a sua conduta junto das Entidades que, ao longo dos anos, têm vindo a regular este setor de atividade. 
Não pode uma instituição como a CMV, na pessoa do seu presidente, acusar um Órgão de Comunicação Social de falta de isenção e profissionalismo, sem concretizar factos. 
E não pode uma instituição como a CMV, na pessoa do seu presidente, ousar sugerir “um título” para uma notícia publicada nos media. 
Ontem à noite, se a oposição (Coligação e CDU) tivesse votado favoravelmente a inclusão da proposta de moção apresentada - e que colheu os votos de todo o Grupo Municipal do PS, com exceção do deputado Armando Silva - a mesma teria sido aprovada. 
O que significa que “a Oposição “salvou” edil de moção de censura da bancada do PS”. 
Posto isto, o Departamento de Informação da Rádio Vizela entende que a CMV se precipitou ao emitir este comunicado e, por isso, esperará serenamente por uma retratação por parte da mesma."