O ddV saúda todos os candidatos às autarquias do Concelho de Vizela concorrentes às eleições de 1 de outubro. Viva o Concelho de Vizela.

Realojamento da comunidade cigana de Paredes foi aprovado

O realojamento da comunidade cigana de Paredes foi aprovado por unanimidade em Reunião de Câmara ordinária, realizada esta quarta-feira, 19 de outubro de 2016.
O projeto prevê a construção de 25 casas pré fabricadas e permite a demolição do aldeamento atualmente existente na cidade de Paredes. "Trata-se de resolver um problema de humanismo, de saúde pública e de ordenamento do território", refere Celso Ferreira, Presidente da Câmara Municipal de Paredes.

Este assunto não é pacífico, tanto que os vereadores do PS votaram agora a favor da medida, contrariamente ao voto de bloqueio de 2008. O Partido Socialista fez uma declaração de voto justificativa, alegando que, apesar de a informação constante da ordem do dia da reunião não estar detalhada, iriam votar a favor, citando um artigo de um dos ex-vereadores socialistas que, há nove anos, votaram contra a proposta de realojamento então feita pelo Executivo da Câmara Municipal de Paredes, alegando também que se tratava de uma medida segregacionista.

Pedro Mendes, Vice-Presidente da Câmara de Paredes, refutou liminarmente a argumentação, dizendo que a informação está toda disponível e que o referido artigo de opinião não é mais do que um ato de contrição do ex-vereador, porque, pela decisão de então, a comunidade cigana de Paredes não foi realojada, com consequências nefastas para a referida comunidade e para a cidade de Paredes, e que isso lhe pesa na consciência.

Celso Ferreira lembrou ainda que a solução apresentada há nove anos era inclusivamente bem mais favorável do que a atual, porque comparticipada por fundos comunitários, algo que agora não acontece. Já a vereadora da Ação Social, Hermínia Moreira, salientou que não se pode falar em segregação sobre uma solução aceite pela comunidade.

Pedro Mendes rematou dizendo que se resolveu agora um problema que já devia estar resolvido há nove anos, e de forma melhor, não fosse o então voto desfavorável dos vereadores do PS Paredes.