O ddV saúda todos os candidatos às autarquias do Concelho de Vizela concorrentes às eleições de 1 de outubro. Viva o Concelho de Vizela.

Bloco de Esquerda e a elevada mortalidade por infeções hospitalares

Em Portugal, regista-se uma mortalidade elevada devido a infeções associadas aos cuidados de saúde (IACS).
Nesse sentido, os deputados Pedro Soares e Moisés Ferreira do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda pretendem que o Governo, através do Ministério da Saúde, indique quantos quartos de isolamento existem e, a verificar-se, se é um número adequado.
Os deputados pretendem também que o Ministério da Saúde indique quantos quartos de isolamento com pressão negativa existem. No distrito de Braga, as unidades hospitalares questionadas são o Centro Hospitalar do Médio Ave, em Famalicão, Hospital Santa Maria Maior (Barcelos), Hospital de Braga, Hospital São José, em Fafe, e ainda o Hospital da Senhora da Oliveira, em Guimarães.

A mortalidade devido a infeções associadas aos cuidados de saúde (IACS) é muito mais elevada do que a acidentes de viação, sendo que este número tem vindo a crescer no que concerne às IACS, por oposição aos acidentes de viação onde o número de óbitos tem vindo a decrescer. Uma das medidas importantes para fazer face às infeções hospitalares remete para o internamente de doentes em locais adequados – o que deixa manifestamente de fora os corredores - bem como para a possibilidade de recorrer a quartos de isolamento quando tal é clinicamente adequado. No sentido de melhor conhecer esta realidade, o Bloco de Esquerda pretende saber quantos quartos de isolamento existem nas diversas unidades hospitalares bem como aferir se consideram este número suficiente.

Várias são as medidas previstas para fazer face a este problema no Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos, publicado em 2016, sendo certo que o problema do combate às infeções hospitalares é complexo e multifatorial, como ficou aliás bem patente na audição de Paulo Fernandes, diretor para a área da Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistência aos Antimicrobianos, decorrida na Comissão Parlamentar de Saúde a 28 de setembro, por solicitação do Bloco de Esquerda.

Aquando do último inquérito de prevalência de infeção, realizado à escala europeia em 2012, foram apuradas taxas de infeção adquirida no hospital, em Portugal, superiores à média europeia de 6,1%. No mesmo estudo objetivou-se que os doentes internados nos hospitais portugueses estavam em situação clínica mais grave que os de quase todos os restantes países europeus, mas ainda assim a percentagem de doentes infetados em função do internamento, 10,5%, foi superior à prevista com base na gravidade da situação clínica. Simultaneamente, quase metade dos doentes internados (45,3%) foram medicados com antibiótico no internamento estudado, enquanto nos hospitais europeus essa percentagem foi de 35,8%, pouco mais de um terço.