VISITE VIZELA

Músico António Cunha cria blog Memórias de Vizela com a história das sete bandas vizelenses «em busca da verdade»

http://memoriasdevizela.blogspot.pt/


Blogger Memórias de Vizela, segundo o seu autor, visa a procura «e publicação da verdade» sobre a data de nascimento da atual banda da Sociedade Filarmónica Vizelense que documenta ter sido "fundada a 21 de janeiro de 1945". António Cunha, entre outros vizelenses, não concorda com a data de fundação que é atribuída à SFV e publica inúmeros excertos de jornais e fotos a darem conta da sua pesquisa.
.

«Queria agradecer a todas as pessoas que ajudaram a tornar este estudo possível. Refiro me a pessoas como o Sr. Armindo Vieira, pessoa incansável na procura da verdade, cedendo documentação fundamental para este estudo. Sr. Guilherme Vieira, Sr. Costa Vieira, Maestro (falecido), Sr. Lobo, Sr. Adriano entre outros. Queria também agradecer a todos os colaboradores do Museus Martins Sarmento que foram pessoas excepcionais na cedência de documentação para pesquisa. E claro está à minha família que
"fartou-se" de ouvir falar em bandas de música, sempre com um sorriso.
Ainda haverá muito que escrever por isso esta página estará sempre em ACTUALIZAÇÃO, para que, no aparecimento de novos dados sejam incluídos neste estudo.
É desta forma que António Teixeira Martins da Cunha justifica o lançamento do seu blogger com dados publicados na imprensa e ilustrado com foto antigas de Vizela e das bandas que por cá existiram, segundo a sua pesquisa foram sete cabendo este último número à atual banda vizelense. António Cunha é músico, passadas seguidas pelo seu avô e pelo seu pai ambos já falecidos.

O blog pode ser consultado aqui



A identidade do Concelho de Vizela está intimamente relacionada com os espaços e a história das suas águas termais. As suas nascentes já eram utilizadas pelos Celtas da Lusitânia, mas foram os Romanos que deixaram uma marca mais significativa no uso desta água. A edificação do balneário romano, parece ter atingido o seu auge na época de Tito Flávio. Durante a Idade Média, as estâncias balneárias sofreram um retrocesso, consequência de uma cultura completamente diferenciada da anterior, mas também devido às destruições causadas pelas invasões dos apelidados Povos Bárbaros. Com o Renascimento e a valorização da cultura clássica chegaram progressos médicos, dando às águas termais capacidades curativas orientadas para doenças tidas como femininas, nomeadamente a infertilidade.


Nos finais do século XVIII, a aldeia das Caldas de Vizela começa a dar passos no sentido da urbanidade, que a iria transformar numa vila termal. E é neste contexto que começa a emergir na população uma vontade de autonomia bem presente na carta enviada a sua majestade e publicada no “Periódico dos Pobres” no Porto nº 127 de 31 de Maio de 1852.
Sendo Vizela uma das principais estâncias termais do Pais, teve necessidade de criar não só para suprir a carência de uma banda de música que abrilhantasse as variadas festas, procissões e romarias da região, mas, também, para animação de veraneantes e banhistas a estanciar nas termas de Vizela. As primeiras referências a “ Músicas” em Vizela aparecem no ano de 1852 numa notícia publicada no Jornal “O periódico dos pobres” no Porto (nº 127 de 31-05-1852), reeditada no Jornal “Independente” de 10 de Junho de 1911. No dia 17 de Maio de 1852, retiraram-se de Guimarães em direcção a Stº Tirso, a rainha D. Maria II, D. Fernando, o Príncipe Real D. Pedro V e o infante D. Luís. Os Vizelenses esperavam ter a honra de receber a visita dos membros, por petição que para isso fizeram, a fim de ter ocasião de lhes entregar duas representações, uma em que pediam que elevasse Vizela a Vila e outra a Concelho, com freguesias de Guimarães, Barrosas e Negrelos. Mas tiveram o desgosto de a visita não se realizar.

Blogger Memórias de Vizela