FESTAS VIZELA-Agosto: Dia 11-CAMANÉ; 12-JORGE PALMA; 13-GABRIEL PENSADOR; 14-CORTEJO. Visite Vizela

Ministério Público acusou cinco organizadores do Rali Sprint de Guimarães e um mecânico de três crimes de homicídio por negligência onde Bruno Lopes de S. Paio perdeu a vida.

O Ministério Público do DIAP da Comarca de Braga deduziu acusação contra seis arguidos, imputando a todos eles a prática de três crimes de homicídio por negligência. Os factos ocorreram no dia 7 de Setembro de 2014, quando o despiste de um automóvel de competição provocou a morte de mãe e filho e ainda de outro menor, no caso Bruno Lopes, de 13 anos, da freguesia de S. Paio de Vizela,  na prova realizada na estrada que liga a Lapinha à Penha.




No seu sítio on-line, a Procuradoria-Geral Distrital do Porto informa que “o Ministério Público no DIAP da Comarca de Braga (Vila Nova de Famalicão, 1.ª secção), deduziu acusação contra seis arguidos, imputando a todos eles a prática de três crimes de homicídio por negligência.
Os factos reportam-se “ao despiste de um automóvel de competição sucedido no dia 7 de Setembro de 2014, durante a classificativa do Rali Sprint de Guimarães, que decorreu na EM 579-2, em Vila Nova de Infantas, Guimarães, colhendo oito espectadores, dos quais três viriam a morrer como consequência dos ferimentos assim sofridos” um deles .

“Dos arguidos acusados, um tinha a seu cargo, como mecânico, a manutenção mecânica do veículo que se despistou; os outros cinco foram os responsáveis pela organização da prova desportiva”, acrescenta a referida nota.

O Ministério Público considerou “indiciado que no veículo automóvel tinham sido efectuadas modificações nos conjuntos roda/cubo e cubo/manga do eixo traseiro que enfraqueceram as suas condições de segurança, levando a que, no decurso da prova, os esforços incidentes sobre o conjunto roda/suspensão levassem à ruptura gradual de parafusos de fixação, à consequente frouxidão da roda traseira esquerda e à perda de controlo do veículo por quem o tripulava.

Mais considerou indiciado que a competição foi posta em execução em flagrante violação das normas que regem a segurança nos ralis, por não estarem identificadas zonas de risco, nem protegidas com equipamentos de segurança especiais, por não estarem estabelecidas zonas específicas de segurança para o público e ter sido permitido que este se colocasse junto das bermas e por elas circulasse”.
A Procuradoria-Geral Distrital do Porto refere que foi requerida a abertura de instrução.

NOTÍCIA PUBLICADA PELO DDV EM 2014

 Bruno Lopes tinha 13 anos e não resistiu ao embate da viatura de corrida esta tarde na Lapinha-Guimarães. Mais duas pessoas morreram e cinco continuam internadas, duas em estado grave. Pai de Bruno está internado em Braga em estado grave.



Bruno estudava no Instituto Silva Monteiro em S. Paio de Vizela e era tido como uma criança exemplar e amiga de todos.
A sua morte gerou uma onda de solidariedade nas redes sociais onde os seus amigos se despendem de forma sentida dum companheiro que muito amavam. Muitos adoptaram o quadrado preto em sinal de luto no espaço da foto de perfil do Facebook.

As notícias avançadas dão conta de que o pai do vizelense Bruno Lopes é um dos feridos graves. Tem 40 anos e está internado no Hospital de Braga.
Bruno Lopes tinha uma irmã chamada Bruna Lopes estudante na Escola Secundária de Vizela, desconhecendo-se se também assistia à passagem do rali.
Para já desconhecem-se mais dados sobre a presença de Bruno no local do fatídico acidente.


O Governo português emitiu uma nota de pesar para com as vítimas o mesmo acontecendo por parte da Câmara Municipal de Guimarães.
Curiosamente neste dia deu-se a romagem da imagem da Senhora da Lapinha até à Nazaré tendo o despiste do carro ocorrido horas depois próximo do recinto religioso.


O acidente ocorrido esta tarde de domingo por volta das 15h30, provocou ainda dois feridos graves e seis feridos ligeiros. As vítimas, que estavam a assistir à prova, foram atropeladas.

Dois rapazes de 8 e 13 anos e uma mulher de 48 foram as vítimas mortais do acidente ocorrido este domingo à tarde no Rali Sprint de Guimarães.
O segundo comandante da corporação de bombeiros de Guimarães, Joaquim Oliveira, afirmou que o piloto que conduzia o carro acidentado foi levado para o hospital em estado de choque.
Fonte da Câmara Municipal de Guimarães, adiantou que duas das vítimas mortais, a mulher de 48 anos e o rapaz de oito, são mãe e filho e residiam na zona da Trofa. A outra vítima mortal, o rapaz de 13 anos, é filho do ferido grave, de 40 anos, que foi transportado para o Hospital de Braga. Em declarações à RTP, a chefe do serviço de Urgência do Hospital de Guimarães, Helena Sarmento, afirmou que deram entrada naquele hospital seis feridos ligeiros, sendo que quatro deles já tinham recebido alta hospitalar pelas 19h30 e as outras duas vítimas não inspiravam cuidados. Um dos feridos ligeiros que já tinha recebido alta hospitalar é o pai da criança de oito anos e marido da mulher de 48 anos que morreram neste acidente. 
Os dois feridos graves foram para o Hospital de Braga e, de acordo com fonte da instituição, trata-se de um homem de 40 anos que sofreu uma traumatismo crânio-encefálico e de uma mulher de 18 anos que terá sofrido uma fractura na perna, ambos a realizar exames de diagnóstico.
O acidente aconteceu na primeira especial do Rali Sprint de Guimarães, que ligava São Roque à Penha, um percurso que os pilotos iriam passar nos três troços cronometrados. Um comunicado da autarquia refere ainda que o acidente resultou do despiste de um carro em competição que ocorreu entre o fim da prova e o controlo de tempos, "depois de o piloto que conduzia o veículo ter ultrapassado a linha de meta". 
O Rali Sprint de Guimarães, clube inscrito na Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting, é a sexta e última prova do Troféu Inter-Municípios do Norte e a quarta organizada pelo Motor Clube de Guimarães (MCG). Em declarações à RTP, um dos elementos da organização da prova explicou que o despiste aconteceu já depois do carro ter passado a zona da meta, na freguesia de Calvos, numa estrada de acesso. Porém, admitiu que embora o carro já tivesse terminado a prova ainda poderia ir "com um bocado de velocidade". 
Assegurando que a prova decorreu "dentro dos parâmetros necessários de segurança" adoptados neste tipo de competição, este elemento da organização notou ainda que o local onde ocorreu o acidente não estava vedado mas as pessoas estavam informadas de que a zona era perigosa. A organização sublinhou ainda que "estes acidentes não são frequentes" e que os pilotos foram informados antecipadamente do trajecto (7 quilómetros) da prova para que pudessem fazer o reconhecimento. Quanto ao despiste, a organização não consegue adiantar explicações referindo apenas que, ao que foi possível apurar, "não estava ninguém na estrada que o fizesse desviar". 
Segundo os bombeiros de Guimarães, apenas se sabe que uma das viaturas de competição se despistou na zona da Lapinha, próximo da Rampa da Penha, confirmando que neste tipo de competições, em zona de montanha, não é habitual a colocação de qualquer tipo de vedação ou protecção para as pessoas que assistem à prova. 
O alerta para o acidente foi dado às 15h27 e foram para o local 13 veículos e 27 operacionais, entre bombeiros de Guimarães, Vizela, INEM e GNR. De acordo com a mesma fonte do Bombeiros Voluntários de Guimarães, foram mobilizadas oito ambulâncias para o local do acidente (cinco dos bombeiros de Guimarães, duas de Vizela e uma do INEM de Fafe), bem como três viaturas médicas e o helicóptero do INEM. 

CONDOLÊNCIAS DA CAMARA

O Município de Guimarães apresenta as mais sentidas condolências às famílias das vítimas do trágico acontecimento deste domingo, 07 de Setembro, ocorrido na freguesia de Calvos, na estrada em direção à Penha, durante a realização do Rali Sprint de Guimarães, organizado pelo Motor Clube de Guimarães.
O acidente, cujo alerta foi dado às 15:25 horas, causou cinco feridos e três vítimas mortais, designadamente, um menino de 8 anos, um adolescente de 13 e uma mulher de 48 anos, mãe da criança mais nova, ambos residentes na cidade da Trofa.
O despiste do carro de competição ocorreu entre o fim da prova e o controlo de tempos, depois do piloto que conduzia o veículo ter ultrapassado a linha de meta. O Rali Sprint de Guimarães, uma prova federada que estava devidamente licenciada, foi promovida pelo Motor Clube de Guimarães, entidade com uma vasta experiência na organização, há 25 anos, deste tipo de competições.
Logo após ter ocorrido o lamentável acidente, a Proteção Civil de Guimarães mobilizou os seus meios para o local do sinistro. Os Bombeiros Voluntários de Guimarães, com quinze elementos e sete viaturas, entre elas, cinco ambulâncias, uma viatura de desencarceramento e uma de Comando, também estiveram no local, bem como os Bombeiros Voluntários de Vizela, com quatro elementos e duas ambulâncias, além da VMER de Braga, Famalicão e Barcelos, que também prestaram apoio neste acidente.
O Município de Guimarães disponibiliza-se, desde já, para prestar o auxílio que for necessário às famílias enlutadas.

NOTÍCIA CORREIO DA MANHÃ

Dois rapazes, de 8 e 13 anos, e uma mulher de 48 anos morreram este domingo à tarde atropelados, na sequência de um despiste no Rali Sprint de Guimarães. A violenta colisão com o público, que assistia à prova, provocou também ferimentos em outras cinco pessoas, três das quais em estado grave. Mãe e filho são duas das vítimas mortais, Maria Cândida Fernandes e Adriano Maia, de 8 anos, são esposa e filho de um dos pilotos que estava em prova, Joaquim Maia, que ainda não tinha começado o rali. A terceira pessoa a ter morte imediata é um adolescente de 13 anos, filho de um dos feridos ligeiros do acidente que recebe cuidados no Hospital de Guimarães. Entre as três vítimas graves há uma jovem de 18 anos que se encontra internada, com prognóstico reservado, nos Cuidados Intensivos do Hospital de Braga. O CM apurou que a jovem sofreu um traumatismo cranioencefálico.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/tres_mortos_em_acidente_no_rali_de_guimaraes

Dois rapazes, de 8 e 13 anos, e uma mulher de 48 anos morreram este domingo à tarde atropelados, na sequência de um despiste no Rali Sprint de Guimarães. A violenta colisão com o público, que assistia à prova, provocou também ferimentos em outras cinco pessoas, três das quais em estado grave. Mãe e filho são duas das vítimas mortais, Maria Cândida Fernandes e Adriano Maia, de 8 anos, são esposa e filho de um dos pilotos que estava em prova, Joaquim Maia, que ainda não tinha começado o rali. A terceira pessoa a ter morte imediata é um adolescente de 13 anos, filho de um dos feridos ligeiros do acidente que recebe cuidados no Hospital de Guimarães. Entre as três vítimas graves há uma jovem de 18 anos que se encontra internada, com prognóstico reservado, nos Cuidados Intensivos do Hospital de Braga. O CM apurou que a jovem sofreu um traumatismo cranioencefálico.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/tres_mortos_em_acidente_no_rali_de_guimaraes


Dois rapazes, de 8 e 13 anos, e uma mulher de 48 anos morreram este domingo à tarde atropelados, na sequência de um despiste no Rali Sprint de Guimarães. A violenta colisão com o público, que assistia à prova, provocou também ferimentos em outras cinco pessoas, três das quais em estado grave. Mãe e filho são duas das vítimas mortais, Maria Cândida Fernandes e Adriano Maia, de 8 anos, são esposa e filho de um dos pilotos que estava em prova, Joaquim Maia, que ainda não tinha começado o rali. A terceira pessoa a ter morte imediata é um adolescente de 13 anos, filho de um dos feridos ligeiros do acidente que recebe cuidados no Hospital de Guimarães. Entre as três vítimas graves há uma jovem de 18 anos que se encontra internada, com prognóstico reservado, nos Cuidados Intensivos do Hospital de Braga. O CM apurou que a jovem sofreu um traumatismo cranioencefálico.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/tres_mortos_em_acidente_no_rali_de_guimaraes
Dois rapazes, de 8 e 13 anos, e uma mulher de 48 anos morreram este domingo à tarde atropelados, na sequência de um despiste no Rali Sprint de Guimarães. A violenta colisão com o público, que assistia à prova, provocou também ferimentos em outras cinco pessoas, três das quais em estado grave. Mãe e filho são duas das vítimas mortais, Maria Cândida Fernandes e Adriano Maia, de 8 anos, são esposa e filho de um dos pilotos que estava em prova, Joaquim Maia, que ainda não tinha começado o rali. A terceira pessoa a ter morte imediata é um adolescente de 13 anos, filho de um dos feridos ligeiros do acidente que recebe cuidados no Hospital de Guimarães. Entre as três vítimas graves há uma jovem de 18 anos que se encontra internada, com prognóstico reservado, nos Cuidados Intensivos do Hospital de Braga. O CM apurou que a jovem sofreu um traumatismo cranioencefálico.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/tres_mortos_em_acidente_no_rali_de_guimaraes