O ddV saúda todos os candidatos às autarquias do Concelho de Vizela concorrentes às eleições de 1 de outubro. Viva o Concelho de Vizela.

VIDEO: Toirãos aumentam fauna do rio Vizela


Mamíferos selvagens (da família dos furões) já passam perto de pessoas com alguma tranquilidade nas margens do rio Vizela. As vozes que se ouvem de fundo são de turistas franceses encantados com o animal. Veja no vídeo
Abrigam-se entre as pedras próximo da levada do Parque das Termas onde o do filme foi visto.
Há quem os tenha confudido com lontras mas são muito mais pequenos.

FOTO DEMOSNTRATIVA DE TOIRÃO ( da internet)
O toirão (nome científico Mustela putorius) é um pequeno mamífero carnívoro que habita por todo o território continental português. Pode viver até aos 14 anos em cativeiro, mas em liberdade não ultrapassa usualmente os 5 anos. Curiosidade. O toirão costuma fazer reservas de rãs no Inverno. Morde-lhes na base do crânio de maneira a que fiquem paralisadas, mas não morrem. Assim, consegue mantê-las frescas por longos períodos.


Pode também ser conhecido pelo nome de tourão (espécie selvagem) ou furão (espécie doméstica). Identificação O toirão ou tourão é um carnívoro. Tem o corpo alongado e cilíndrico e as patas curtas. A cabeça é achatada e as suas orelhas são pequenas e arredondadas.


Revestimento

O corpo do mamífero toirão é coberto por pêlos, sendo a cor destes a característica que mais rapidamente os identifica. O dorso é castanho-escuro, os flancos são claros, a barriga quase negra e a cauda é escura. Possui uma mancha branca à volta da boca e do queixo e outra entre os olhos e as orelhas, que também têm a extremidade branca. A pelagem é lisa, densa e macia, e a cauda tufada. Locomoção O tipo de locomoção do toirão é a corrida, apoiando as extremidades dos seus membros no solo. Porque se apoiam nos dedos, são do tipo digitígrados.

Alimentação

O toirão é omnívoro mas o seu regime alimentar é principalmente composto por carne, sendo quase insignificante o consumo de vegetais e de frutos. Costuma alimentar-se de lebres e coelhos e mais raramente de pequenas aves, rãs e peixes.

Este animal faz reservas de alimento quando captura mais presas do que aquelas que necessita para comer imediatamente. Nesta situação pode ficar a descansar, por longos períodos de Inverno, na sua toca. As tocas têm pelo menos uma câmara de dormida e outra de armazenamento de alimento.



Reprodução

A reprodução do toirão é do tipo sexuada, onde intervêm dois exemplares de sexos diferentes. A fase da atracção sexual e o acasalamento é entre Março e Abril, mas este período pode alterar consoante o clima. Os machos são bastante maiores que as fêmeas. São poligâmicos e cobrem todas as fêmeas que os aceitam. A gestação dura 41 a 42 dias e as crias nascem entre Abril e Junho. Podem nascer entre 1 e 12 crias, mas geralmente nascem entre 3 e 7. As crias deixam de mamar no final do primeiro mês e tornam-se independentes aos 3 meses.

As fêmeas atingem a maturidade sexual aos 10 meses e os machos entre os 10 e os 11. Pode viver até aos 14 anos em cativeiro, mas em liberdade não ultrapassa usualmente os 5 anos. Curiosidade
O toirão costuma fazer reservas de rãs no Inverno. Morde-lhes na base do crânio de maneira a que fiquem paralisadas, mas não morrem. Assim, consegue mantê-las frescas por longos períodos.