FESTAS CIDADE DE VIZELA...7 a 14 agosto.Visite. Participe.

"Mundotextil conclui 18 milhões de euros de investimento"

"A Mundotêxtil vai concluir este ano o investimento de 18 milhões de euros no reequipamento e modernização da sua fábrica de Vizela, melhorias que lhe permitem aumentar de forma bastante significativa seus níveis de competitividade, não só ao produzir mais gastando menos, mas também aumentando a flexibilidade industrial para a produção de pequenas séries.

NOTÍCIA T DIGITAL



Desde 2014, a empresa da família Vaz Pinheiro – que faz um volume de negócios na ordem dos 43 milhões de euros e emprega cerca de 600 trabalhadores – tem investido em média três milhões de euros por ano, para consolidar a sua posição de liderança como maior produtor e exportador europeu de felpos.

JOSÉ PINHEIRO
“Somos lideres mundiais em inovação e qualidade. Já há muito tempo que a quantidade deixou de ser o nosso campeonato”, afirma José Pinheiro, 62 anos, acrescentando que a estratégia é a permanente subida na cadeia de valor: “Não podemos nunca parar de investir em equipamento, inovação, design e internacionalização”.

Estar sempre a surpreender o mercado com novidades e produtos cada vez mais técnicos é uma preocupação permanente da Mundotextil, que no verão apresentou o protótipo de uma toalha de praia com carregador solar – desenvolvido em parceria com a UMinho -e um vestido (hot chic sun), com certificação de proteção UV, fruto da colaboração com ao CITEVE e a Faculdade de Medicina do Porto (FMP).

Também em colaboração com a FMP, a Mundotêxtil inovou com produtos para uso médico e hospitalar no pós-operatório e queimados. E tem em fase final um inovador projeto de desenvolvimento de uma nova geração de estruturas dos tecidos de felpo, num valor superior a meio milhão de euros, que está a desenvolver com a Universidade do Minho.

“A inovação é o nosso ADN – é o que a gente faz todos os dias”, conclui José Pinheiro, um self made man, que criou a Mundotêxtil, quando regressou da tropa (feita na Polícia do Exército), a que foi chamado após ter desistido de estudar Economia em Coimbra.