Visite Vizela

Centro Cultural Vila Flor reforça olhar sobre o Circo


Dois espetáculos, um debate, conversa pós-espetáculo e um Open Day no INAC


CCVF apresenta nova edição do Circus Arts Weekend a 10 de março


No próximo sábado, dia 10 de março, o Centro Cultural Vila Flor (CCVF) transforma-se no epicentro do Circo Contemporâneo, um universo artístico com uma vitalidade crescente e uma enorme capacidade transformadora. Depois de uma bem sucedida edição zero, o Circus Arts Weekend instala-se no CCVF ao terceiro mês do ano. Composto por dois espetáculos, um debate, conversa pós-espetáculo e um Open Day no Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), este mini programa pretende ajudar a impulsionar o ressurgimento do Novo Circo em Portugal, com a inclusão do público e profissionais das artes performativas num plano de relação direta.

Esta edição reserva-nos um programa tão desafiante e completo quanto possível com a nova criação da Erva Daninha, “1.5ºC Ponto de Equilíbrio”, em estreia absoluta, e o regresso da seminal companhia de Aurélien Bory, Cie 111, com o clássico “Plan B”, que se junta ao público para uma conversa informal no final do espetáculo. A acrescer a estas apresentações, decorre um debate nesse mesmo dia à tarde no Palácio Vila Flor, que pretende abordar temáticas de desenvolvimento do Novo Circo em Portugal, tendo por base a importância da formação e do trabalho em rede no setor em questão. Finalmente, importa relevar a nova colaboração com o Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), que promove um Open Day nas suas instalações e marca presença no debate para a discussão sobre o trabalho a fazer na formação de profissionais da área. Releva-se, assim, o presente e o futuro desta arte em Portugal e na Europa.

O programa arranca a 10 de março com um Open Day, entre as 10h00 e as 13h00, com entrada livre para todos os públicos, promovido pelo Instituto Nacional de Artes do Circo (INAC), em Vila Nova de Famalicão, que este ano se associa ao CCVF no âmbito do Circus Arts Weekend. Uma oportunidade para experimentar as várias disciplinas do circo contemporâneo, orientadas por professores qualificados, num dos melhores espaços da península ibérica. Esta ação prática demonstrativa permitirá ao público sentir emoções passadas pelos artistas quando estão em palco e assim melhor compreender a força criativa desta arte em ressurgimento em Portugal.

As atividades prosseguem às 16h00, no Palácio Vila Flor, com um debate/conferência centrado no renovado panorama do Novo Circo em Portugal. Uma vez por ano, em Guimarães, os profissionais, estudantes e outros envolvidos neste universo artístico são convocados para discutir aspetos importantes que contribuam para o desenvolvimento desta arte em território nacional e sua expansão além fronteiras. Desta vez, coloca-se o foco na formação e trabalho em rede, juntando o INAC e alguns programadores desta área em ressurgimento. Este debate é, como sempre, aberto a todos e de acesso livre.

O primeiro espetáculo, aqui apresentado em estreia absoluta pela companhia Erva Daninha, surge pelas 18h30 no Pequeno Auditório do CCVF. “1.5ºC Ponto de Equilíbrio” é um solo de circo contemporâneo, com malabarismo, manipulação de objetos e equilíbrios onde o espaço, o ambiente e o som transportam-nos numa viagem de desafios e surpresas. No limiar da sobrevivência, um ilhéu tenta resistir à solidão. Com os últimos recursos naturais e com a agilidade do seu último habitante, este pedaço de terra adapta-se, transforma-se e renova-se. Uma reflexão sobre a poluição dos oceanos através da relação de um homem com os seus objetos e ambiente, numa ilha onde o plástico e a água se confundem. Nesta pequena ilha, o cenário e a ação refletem a fragilidade e equilíbrio dos ecossistemas, a poluição e as alterações climáticas.

À noite, a partir das 21h30, o Grande Auditório do CCVF recebe o icónico espetáculo Plan B, criado por Aurélien Bory e Phil Soltanoff em 2003. “Plan B” é o segundo espetáculo de uma trilogia, da companhia francesa Cie 111, que explora as várias latitudes do nome que o batiza. “Plano B” como o plano alternativo a um projeto falhado, mas também do ponto de vista da significância espacial e geométrica. Toda a criação é desenvolvida em torno do cenário que consiste numa superfície plana inclinada que joga com a barreira física da gravidade, sendo a narrativa comunicada de forma visual e sonora. Uma história que tanto tem uma exuberância abstrata como revela as caraterísticas mais simples e inocentes do ser humano: a confrontação com um problema, a descoberta de uma solução, o aprimorar dessa resolução e depois um outro problema, a saturação. Assim, a audiência encontra sempre uma relação com a peça – a identificação com o quotidiano. A identificação com a própria vida. No final da apresentação, Aurélien Bory protagoniza uma conversa pós-espetáculo que promove o encontro do público com os artistas.