O ddV atingiu os 20 MILHÕES de visitas. OBRIGADO LEITORES.

Festa das Cruzes de Serzedelo na Casa da Memória

Conversa em torno da Festa das Cruzes de Serzedelo abre caminho para a programação de maio da CDMG, numa viagem à qual se junta um novo Guia de Visita, a apresentação de uma publicação e uma sessão de Domingos em Casa




O dia 01 de maio leva a Festa das Cruzes de Serzedelo até à Casa da Memória de Guimarães (CDMG), abrindo a programação deste mês na Casa. Uma conversa em torno desta Festa – na presença de um dos seus principais responsáveis – estende o tapete à programação de maio, numa viagem que junta Paulo Cunha como Guia de Visita, a apresentação de uma publicação focada na Colecção de Fotografia da Muralha e uma saborosa sessão do Domingos em Casa. A riqueza e diversidade das propostas da CDMG permitem, mais uma vez, novos olhares e interpretações sobre a cidade de Guimarães e o mundo.


No primeiro dia do mês, às 11h00, Fernando Oliveira – um dos conhecedores do saber-fazer dos tapetes floridos dos caminhos de Serzedelo na Festa das Cruzes, que decorre anualmente nos dias 05 e 06 de maio – vem à CDMG conversar sobre esta tradição com rituais de festa ancestrais, cujo legado se vai transmitindo entre a sua comunidade, geração após geração. Este momento integra também uma demonstração das técnicas de manufatura associadas. A conversa é gratuita e aberta a todas as idades, estando a participação condicionada ao espaço existente.

No sábado, 05 de maio, às 17h00, a CDMG e o seu público conhecem um novo Guia de Visita. Paulo Cunha, investigador em História do Cinema Português, é Doutorado em Estudos Contemporâneos pela Universidade de Coimbra e docente na Universidade da Beira Interior, onde dirige o curso de Mestrado em Cinema. Em mês de 60º aniversário do Cineclube de Guimarães, a visita guiada deste cineclubista e vimaranense militante terá paragens obrigatórias nestes predicados: o cinema de (e em) Guimarães. Esta atividade, gratuita e dirigida a todas as idades, inclui uma visita pela exposição permanente da Casa da Memória, acompanhada por uma conversa com o público.


A 19 de maio, às 17h00, a Casa da Memória serve de palco para a apresentação do primeiro número de uma coleção de livros centrada na interpretação e representação fotográfica de Guimarães: “Prisma #1 Colecção de Fotografia da Muralha”. A investigadora Susana Lourenço Marques debruça-se sobre a Colecção de Fotografia da Muralha, através de um ensaio sobre a temática da ausência neste espólio fotográfico. Esta publicação assinala também a chegada da referida Colecção ao Repositório da Casa da Memória de Guimarães. A apresentação contará com a presença da investigadora. A apresentação desta publicação é igualmente aberta ao público, apenas com limite de participação condicionado ao espaço existente.


Como habitualmente, o penúltimo domingo do mês está reservado para uma sessão de Domingos em Casa. No dia 20, pelas 11h00, a CDMG convida as famílias e todos os interessados para conhecer (e experimentar) as voltas da colher de pau de Álvaro Dinis Mendes e Liliana Duarte, do Cor de Tangerina, que nos guiarão, no aconchego da Casa, por uma viagem gastronómica recheada de histórias, tradições, lendas, pessoas, lugares ou objetos, sempre em relação com o espaço expositivo. O mês de maio chega-nos, assim, com cobertura de açúcar. Foi em 1907 que a Sra. Joaquina da Silva descobriu a receita do Bolinhol, o pão-de-ló de Vizela, que é cozido numa forma com uma caraterística muito especial. As inscrições para esta oficina, dirigida a maiores de 3 anos, têm o custo de 2,00 euros e encontram-se disponíveis até 17 de maio através do telefone 253424700, e-mail mediacaocultural@aoficina.pt ou mediante o preenchimento do formulário disponível no site www.casadamemoria.pt.



Ao longo do mês, a Casa da Memória convida-nos a explorar a exposição permanente “Território e Comunidade”, onde podemos encontrar histórias, documentos, factos e objetos que permitem conhecer diferentes aspetos da comunidade vimaranense através de um largo arco temporal, bem como a exposição temporária “A Batalha Perdida. La Lys, 9 de Abril de 1918” – programada no âmbito do ciclo de exposições temporárias “Memento (Lembra-te)” – que apresenta, cem anos depois da tragédia militar portuguesa em La Lys, uma pequena evocação da grande batalha a partir de fotografias dos arquivos do Imperial War Museum de Londres (imagens da Frente Portuguesa na Flandres) e da Coleção de Fotografia da Muralha (imagens dos regimentos de Guimarães), bem como de objetos e anotações de soldados vimaranenses de Infantaria que combateram na Primeira Guerra Mundial.



Recordamos que a Casa da Memória se encontra aberta de terça a domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Aos domingos de manhã, a entrada é gratuita. A programação pode ser consultada em www.casadamemoria.pt.