Visite Vizela

Pavão do Parque das Termas já tem três namoradas

Ave deixou de estar só e agora já exibe mais vezes o seu lindo leque como forma de encantar as três pavoas que a União de Freguesias de S. João e S. Miguel lhe deu por companhia. E já canta mais vezes autenticas árias, sobretudo quando começa a cair a noite que se ouvem em todo o parque.

O alojamento das aves do Parque das Termas foi ampliado e desratizado. O chão levou cimento numa das partes que tapou as enormes luras de ratos. A ampliação permite às aves, agora em grande número, apanharem sol.
O pavão, que esteve tão só nos últimos anos, quase abandonado à sua sorte,  tem hoje um aposento melhorado e mais do que isso: três lindas pavoas por companhia, garnizes e até galos. Falta saber se o macho e as fêmeas apostam em futuras gerações (embora sem direito ao cheque-bebé).
Tem sido uma atração para muitos visitantes do parque, sobretudo das crianças.
Três lindas pavoas para um só macho. Não há fome que não traga fartura



O PAVÃO SEGUNDO O WIKIPÉDIA

Chama-se pavão a aves dos géneros Pavo e Afropavo da família dos faisões (Phasianidae). Os pavões preferem alimentar-se de insetos e outros pequenos invertebrados, mas também comem sementes, frutas e outros itens nutritivos que estão disponíveis rapidamente. Os pavões exibem um complicado ritual de acasalamento, do qual a cauda extravagante do macho teria um papel principal. As características da cauda colorida, que chega a ter dois metros de comprimento e pode ser aberta como um leque, não têm qualquer utilidade cotidiana para o animal e seriam um exemplo de seleção sexual. Quando o processo é bem sucedido, a pavoa põe entre 4 a 8 ovos, que chocam ao fim de 28 dias.

A cauda dos pavões gerou o interesse de várias culturas, pela sua exuberância de cores e beleza das penas, e justificou a sua criação em cativeiro. Já foram criadas diversas variedades por seleção artificial que apresentam plumagem branca, negra, púrpura, entre outras cores.

No topo de cada fileira de penas do pavão você verá um ocelo redondo e brilhante, ou um pequeno olho. Ocelo deriva do latim "oculus", que significa "olho". Esses pontos iridescentes são o que dão a dimensão exótica às plumas.

Em um estudo realizado no Japão, foi contestada a crença por trás da ornamentação das plumas do pavão, se concluindo que quanto mais o macho se agitar diante de uma fêmea, mais chance ele teria de conquistá-la. Por conta dessa interação, os pesquisadores dizem que talvez sejam seus movimentos e gritos de acasalamento - e não os famosos ocelos - que mais atraiam as fêmeas. Durante um estudo de sete anos dos rituais de acasalamento dos pavões, os pesquisadores descobriram que mesmo os machos com um leque pouco atraente e com menos ocelos chamaram a mesma atenção que os outros.[1]