"SE VIZELA NÃO É UMA TERRA GRANDE É SEM DÚVIDA A TERRA DE UM GRANDE POVO" - Américo Tomaz

Habivizela e Imobilasa presentes no SIP 2018

A Habivizela (a comemorar 20 anos de fundação) e Imobilasa estiverem  presentes no SIP2018 (Salão Imobiliário do Porto) na Exponor onde apresentaram os imóveis que têm para venda em diversas cidades do País entre as quais Porto e Vizela. Na foto, à esquerda, o CEO/Sócio gerente da Habivizela, Rui Campelos















BREVE HISTORIAL HABIVIZELA

Habivizela é a sociedade de Mediação Imobiliária mais antiga da cidade de Vizela. Foi fundada a 17 de Abril de 1998, e já conta com mais de 1500 imóveis vendidos.

Orgulha-se de estar presente nos principais empreendimentos do Concelho, onde se destacam o Fórum Vizela em 2000, Varandas do Fórum I, II e III entre 2008 e 2018, Quinta do Poço Quente desde 2015 e Condomínio Fechado Quinta de Santa Susana desde 2017.

Foi também responsável pelas vendas da maioria dos imóveis do Edifício das Polés, Urbanização Vista Alegre, Domus Vizela, Quinta da Portela, Edifício Abade Tagilde, Edifício Rainha, Zona Industrial de Infias e Zona Industrial São Domingos.

Noutras freguesias do Concelho de Vizela, teve também participação exclusiva na comercialização do Edifício Santa Eulália, Condomínio Fechado Solar da Ponte, Edifício Porta de Ferro e Zona Industrial de São Paio.

Atualmente a Habivizela é responsável em exclusivo, pela venda de 331 frações na cidade do Porto junto ao Campus Universitário da Asprela e Hospital de S.João, nomeadamente os empreendimentos Asprela Domus I, II e III desde 2017. No ano de 2018 irá comercializar dois importantes edifícios na cidade de Guimarães.

SIP 2018 


O Porto voltou no último fim de semana, após sete anos de interregno, um salão o imobiliário que a organização considerou hoje fazer “todo o sentido” dada a crescente representatividade da região na grande procura imobiliária existente no país.

“Este regresso de um salão imobiliário ao Porto acentuou a normalização do mercado e também a representatividade que a região Norte, e em especial o Porto, têm ganhado no panorama imobiliário nacional, reunindo já grande parte da procura imobiliária quer por parte do mercado interno, quer por parte de estrangeiros”, afirmou o presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP).

Luís Lima congratulou-se pela forma como decorreu a primeira edição do Salão Imobiliário do Porto - SIP 2018, que decorreu nos dias 07, 08, 09 e 10 de Junho na Exponor, em Matosinhos, numa iniciativa da APEMIP e da Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção (APCMC), em parceria com a Associação Empresarial de Portugal (AEP).

Segundo Luís Lima, depois de os anos da crise imobiliária terem impedido a associação “de apoiar a continuidade de um evento regional” do sector no Norte do país, optando antes pelo apoio a um salão de âmbito nacional em Lisboa, o dinamismo da actividade na região faz com que o Porto (onde a Habivizela tem inúmeros imóveis Imobilasa à venda nomeadamente na Asprela)  mereça o regresso de um salão à cidade”.

“Agora que o Porto é a segunda cidade do país que mais procura regista justifica-se a existência de um certame como este, que é o momento ideal para promover a oferta do Porto e da própria região Norte”, sustentou.
Em 2017, 30% das casas vendidas foram Região Norte


De acordo com dados da APEMIP, no final do terceiro trimestre de 2017 a região Norte representava cerca de 30% das casas vendidas em Portugal, com 32.702 transacções num total de 110.847 habitações comercializadas, enquanto a Área Metropolitana do Porto (AMP) representou cerca de 18% (19.303 imóveis).

As estimativas da associação apontam para, no ano passado, o número de transacções imobiliárias ter crescido cerca de 25% em relação a 2016, o valor mais alto de que há registo, prevendo Luís Lima que em 2018 esta percentagem possa atingir os 30%.

De acordo com o dirigente associativo, a captação de investimento estrangeiro “será um dos focos” do SIP 2018, que “trará a Portugal o encontro de primavera da Confederação da Construção e do Imobiliário de Língua Oficial Portuguesa (CIMLOP) e contará com as presenças de representantes das associações americana, francesa, angolana, brasileira e moçambicana”.


Comnpradores internacionais representam 20% do mercado

“O foco no investimento estrangeiro justifica-se pela importância que [este] tem no imobiliário em Portugal”, sustentou Luís Lima, salientando que os compradores internacionais representaram 20% do mercado imobiliário português em 2017, com destaque para os franceses (29%), brasileiros (19%), ingleses (11%), chineses (9%) e angolanos (7,5%).

Apostado em promover a oferta do mercado do imobiliário e materiais de construção da região Norte e em divulgar o Porto e a região Norte junto de investidores internacionais, com o objectivo de captar investimento para este segmento, o SIP 2018 teve como público-alvo potenciais investidores nacionais e estrangeiros, profissionais do sector imobiliário, convidados internacionais e o público geral, calculando-se a visita de 30 mil pessoas.

Entre as várias dezenas de expositores presentes estiveram mediadores imobiliários (com licença do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção - IMPIC e ser associados da APEMIP), empresas de construção e materiais de construção e representantes da banca, dos serviços, de turismo e actividades turísticas e das autarquias da região.
Rui Campelos considerou muito positiva a presença da Habivizela/Imobilasa neste certame.