M. Ward antecipa novo álbum a solo na Black Box do CIAJG

Músico e compositor californiano estreia-se em Guimarães a 1 de fevereiro


O Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) é ponto de passagem para a digressão de antecipação do disco Migration Stories, de M. Ward. O músico e produtor californiano afirma-se como uma das vozes mais versáteis da música americana moderna e vai estar no próximo dia 1 de fevereiro em Guimarães para um concerto na envolvente Black Box do CIAJG, às 21h30. Apesar de projetos em parceria, onde se poderá destacar o duo She & Him, será em nome próprio que Matthew Stephen Ward melhor transmite as suas reflexões sobre algumas das inquietações da atualidade. Numa coleção de 11 meditações sobre a migração humana, Ward utiliza o seu leque de profundos poderes enquanto artista, num disco ousado repleto de paisagens sonoras transportadoras.


Autor de uma admirável discografia, o cantautor norte-americano regressa em 2020 com um novo trabalho e vai mostrar-nos em Guimarães a sua mais recente coleção de canções que fazem parte do décimo álbum da sua carreira a solo e que muito sugestivamente se chama Migration Stories. Inspirando-se nas histórias de migrações que foi ouvindo dos dois lados do Atlântico quando andava em digressão, os 11 temas foram gravados nos estúdios dos Arcade Fire, em Montreal. Nas vésperas do lançamento do seu novo disco (que tem em Migration of Souls o seu tema de avanço), M. Ward desenhou uma pequena digressão pela Europa, que passará por Guimarães no primeiro dia de fevereiro, para um concerto na envolvente Centro Internacional das Artes José de Guimarães.


Ward, nascido em 1973 na Califórnia (EUA), colaborou com várias pessoas nos últimos 10 anos, tendo-nos surpreendido recentemente com o lançamento do álbum What A Wonderful Industry (2018), onde assumiu um tom mais subtil da indústria da música, escrevendo sobre os heróis e vilões que ele encontrou ao longo de mais de 20 anos. Contudo, o seu período de maior exposição terá sido durante a existência do duo She & Him ao lado da atriz Zooey Deschanel. Mas é a partir da sua discografia a solo que se descobre a sua missão essencial, com destaque para Post-War, disco de 2006, onde se encontram versos desarmantes como I know when everything feels wrong / I've got some hard, hard proof in this song.


Para além de parceiro de Zooey Deschanel no duo She & Him, M. Ward faz também parte do supergrupo Monsters of Folk, tendo já partilhado a estrada e o estúdio com Mavis Staples, Jenny Lewis, Norah Jones, Cat Power, Neko Case, Lucinda Williams, Peter Buck, entre outros. Migration Stories, o seu décimo disco a solo – gravado na companhia dos músicos Richard Reed Parry e Tim Kingsbury, dos Arcade Fire – tem lançamento marcado para o dia 3 de abril. É um conjunto de canções marcado pelas realidades existentes dos dois lados do Atlântico, sobre vários movimentos migratórios, sendo o próprio autor descendente de migrantes mexicanos nos EUA.


A música do multifacetado Ward – cantor, compositor, produtor e guitarrista – tem essências num estilo folk com influências de outros géneros como blues, rock, jazz e country alternativo. Numa entrevista ao site PopMatters, M. Ward confessa que o seu trabalho resulta de deambulações sobre o vazio e que muito do que compõe não resulta de uma intenção. É antes um processo de tentativa-erro, como acaba por dizer. Essa experiência é descrita como uma forma de perceber o que acontece quando só há a guitarra e a voz e é daí que vem a grande paixão de M. Ward na sua relação com a música - tocar, escrever e gravar com a guitarra.



Os bilhetes para o seu concerto em Guimarães encontram-se disponíveis pelo valor de 7,5 euros ou 5 euros com desconto e podem ser adquiridos nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor (CCVF), Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG), Casa da Memória de Guimarães (CDMG) e Loja Oficina (LO), bem como nas lojas Fnac e online em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt.

Partilhar