Morreram 54 cães e dois gatos

Refere a Câmara de Santo Tirso em nota enviada à nossa redação que "Os 190 animais recolhidos com vida em dois canis atingidos por um incêndio na freguesia de Agrela, em Santo Tirso, foram acolhidos em canis municipais, associações e por particulares.


A Câmara de Santo Tirso informou, em comunicado, que, no domingo, implementou um plano para o realojamento dos 190 animais vivos que se encontravam nos dois abrigos tomados por um incêndio florestal na Serra da Agrela, o "Cantinho das Quatro Patas" e o "Abrigo de Paredes". Segundo a autarquia, 113 animais foram realojados em canis municipais e associações e os restantes 77 foram acolhidos por particulares.

"A Câmara Municipal de Santo Tirso irá disponibilizar a todas as associações e aos particulares que acolheram os animais daqueles abrigos a vacinação e esterilização dos animais", adianta a nota, acrescentando que, durante esta segunda-feira, "será feita uma vigilância em toda a área envolvente dos dois abrigos de animais, no sentido de encontrar outros animais que não tenham sido realojados".

Donas de abrigo em Santo Tirso onde morreram 54 animais arriscam dois anos de prisão

Fogo atingiu o espaço durante a madrugada. Animais morreram carbonizados."Relativamente aos animais que morreram em virtude do incêndio que deflagrou no sábado, a Câmara Municipal de Santo Tirso também já recolheu os corpos que foram transferidos para o PET Nordeste", acrescenta.
A Autarquia informou, antes, que morreram 54 animais (52 cães e dois gatos) e que apenas pôde executar o plano de retirada durante esse dia "porque não estavam, de acordo com as autoridades de proteção civil, reunidas as condições de segurança para o realojamento dos animais durante a madrugada". A GNR esclareceu que a morte de animais no incêndio em Santo Tirso não se deveu ao facto de ter impedido o acesso ao local de populares, mas à dimensão do fogo e à quantidade de animais.
Ainda não se sabe porque carga d'água eram mantidos aqueles animais em cativeiro degradante no meio da Serra da Agrela por uma particular.
Os populares invadiram mais tarde a propriedade na tentativa de salvar os animais e gritaram "O povo unido jamais será vencido".

Fotos da Lusa e Correio da Manhã

Partilhar