Crematório de Guimarães espera 740 cremações neste primeiro ano 


Teve lugar esta manhã a inauguração do Crematório de Guimarães, numa cerimónia que decorreu no cemitério de Monchique e que contou com a presença de Domingos Bragança, Presidente da Câmara, e da equipa do Executivo. A cerimónia iniciou-se com a bênção do espaço, efetuada pelo pároco da freguesia da Costa, Padre Carlos Sousa, a que se seguiram as intervenções protocolares e a visita às instalações.


Domingos Bragança, Presidente da Câmara, referiu que o Crematório de Guimarães é um equipamento necessário para toda a região, que vem dar resposta à escolha pela cremação. “Ao longo dos anos, os valores culturais têm sofrido transformações. A sociedade secular de hoje aceita cada vez mais a cremação em alternativa ao sepultamento”, disse. 


“Este cemitério de Monchique recebeu um prémio nacional de Arquitetura, motivo pelo qual lançámos o desafio para que este crematório pudesse fazer jus à beleza deste espaço, harmonizando-se com o seu entorno. 

O objetivo foi conseguido”, frisou Domingos Bragança. 

O Presidente da Câmara destacou ainda a dignidade do espaço e a possibilidade de acolher as famílias para a realização de uma cerimónia fúnebre completa. “Desejo que este espaço tenha a dignidade para o recolhimento na homenagem aos entes queridos que nos deixam, nas memórias e de reflexão da vida.”, concluiu.

Paulo Moniz Carreira, Diretor Geral de Negócio da Servilusa, disse ser uma honra poder começar a operar em Guimarães, após um processo bastante complexo e moroso. Destacou a beleza do local e agradeceu ao Presidente da Câmara a confiança depositada na empresa, que apresenta um equipamento de última geração.

O Crematório de Guimarães será operado pela empresa Servilusa, no âmbito do concurso público lançado pela Câmara Municipal para a concessão da gestão do espaço, durante 25 anos. 

Um investimento de oitocentos mil euros que gerou dois postos de trabalho diretos, com uma previsão de 740 cremações no primeiro ano de operações. 

O novo equipamento, edificado no Cemitério Municipal de Monchique, tem uma capacidade instalada até cinco cremações por dia, operando em regime normal. 

Portugal regista já uma taxa média acima dos 20% para funerais com cremação, e fica a partir de agora dotado com 37 crematórios, no total, 33 dos quais estão instalados no continente.

A unidade de Guimarães veio ocupar um edifício com 350 metros quadrados de área coberta, e conta ainda um com espaço exterior de 150 metros quadrados, para estacionamento e jardim. O edifício de dois pisos com forno crematório possui uma entrada e uma zona técnica independente, permitindo desta forma que o acesso das viaturas funerárias seja distinto do utilizado pelas famílias, que poderão acompanhar e fazer a despedida até ao último momento, do familiar ou amigo, através de um ecrã. As principais valências de apoio ao serviço do novo crematório incluem espaços para Receção, Sala de Estar, Cafetaria, Capela Ecuménica, sala de Preparação de falecidos com câmara frigorifica e um Jardim da Memória ou Cendrário.


Partilhar