Pais de Maurícia continuam sem saber do seu paradeiro


Maurícia Portela, está desaparecida há onze dias. Hoje, domingo, o Digital de Vizela falou com o seu pai, e a resposta foi pronta: "Continuamos sem saber do seu paradeiro. A Polícia Judiciária está a investigar. Aguardamos respostas".

António Dias, bombeiro na Corporação de Vizela, diz que foram aconselhados a não falar sobre a investigação de forma a não perturbar o trabalho das autoridades.


"Temos confiança que a polícia e a GNR tudo farão para descobrir o paradeiro da nossa Maurícia, vamos aguardar pois não podemos fazer mais nada para além daquilo que já fizemos.  Estamos atentos e não vamos parar até descobrir o seu paradeiro" - acrescenta.
O ddV quis ainda saber o que pensa António Dias sobre o que possa ter acontecido à sua filha e este respondeu: "Numa situação destas o pensamento anda em turbilhão. Naturalmente não podemos pensar o melhor porque tudo isto que está a acontecer não é normal. Tenhamos fé".

Maurícia Portela falou a última vez com os pais na quinta-feira dia 1 de Setembro, ao telefone, e nunca mais deu notícias.
A jovem, de 28 anos, natural de Vizela, vivia no Porto mas estava a preparar o seu regresso a Vizela, mais concretamente a Santa Eulália onde vivem os seus pais, irmãos e avós. 

A jovem andava medicada devido a problemas do foro psicológico, todavia António Dias teve a informação que durante quatro dias antes do desaparecimento a sua filha não tomou a medicação, o que faz ainda supor o pior.

No sábado seguinte ao telefonema que receberam da Maurícia, e não a vendo chegar a casa, os pais participaram o desaparecimento à GNR e à Polícia Judiciária, forças de quem esperam obter informações: "De momento não sabemos mais nada, estamos à espera que as autoridades ou alguém que veja os apelos que distribuímos pelas redes sociais nos possam ajudar".


O pai da eulalense procurada diz ter ido pedir informações ao Porto, onde Maurícia deu algumas horas de trabalho, porém "não lhe souberam dizer nada".

Nas redes sociais a família publicou um apelo com a foto de Maurícia e a matrícula do seu carro.

Familiares e amigos pediram para partilhar o apelo nas redes sociais. A notícia do ddV registou 1.400 partilhas  no Facebook e foi lida no site a partir de 40 mil visitas tendo ainda sido partilhada através de outros órgãos de informação sinal da solidariedade de milhares de pessoas para com a família de Maurícia Portela que não merecia estar a viver este pesadelo.


Partilhar