VISITE VIZELA

Mais heróis da Guerra do Ultramar distinguidos

A Cerimónia do 4º Aniversário do Núcleo de Vizela da Liga dos Combatentes, decorreu no Jardim Manuel Faria, junto ao monumento dos Combatentes. Foi recordada a morte de Humberto Ferreira, soldado vizelense, do Batalhão Caçadores 4610/72 da Guiné, que esteve na construção da Aldeia Nova Vizela, na Guiné, em 1973, que no local foi retratada, em fotografia (numa exposição), onde ele aparece, na companhia de outros vizelenses e camaradas presentes no ato. Ao mesmo tempo esteve presente uma representação da Companhia de Artilharia 491, de Cabinda, Angola.


EX-SOLDADOS AGRACIADOS

- JOÃO DA SILVA PINTO, MOÇAMBIQUE 1974-75
- FORTUNATO CORREIA NETO, MOÇAMBIQUE 1969-71
- MÁRIO MOREIRA PEREIRA, ANGOLA 1972-74
– JOSÉ FERNANDO FERREIRA ANTUNES, GUINÉ 1974
ANTÓNIO FERREIRA DA CUNHA, ANGOLA 1964-66
ADAO PEREIRA FERNANDES. MOÇAMBIQUE 1971-74
JOSE FERNANDO COSTA FERREIRA, MOÇAMBIQUE 1968-70
JORGE MANUEL PINTO RIBEIRO, MOÇAMBIQUE 1970-72
JOSÉ AMADEU MACHADO ALMEIDA, GUINÉ 1968-70
JOSÉ ALVES LEITE, MOÇAMBIQUE 1971-73
ANTÓNIO SILVA FERREIRA, ANGOLA 1969-71
VICENTE FERREIRA SANTOS NETO, ANGOLA 1967-69
JOSÉ MARIA SILVA PACHECO, ANGOLA 1969-71
JOSÉ EDUARDO MACHADO CUNHA, MOÇAMBIQUE 1973-74
- JOSÉ MARINHO, GUINÉ 1971-73
- JOSÉ RAUL LEITE ABREU, ANGOLA 1969-71
- ARMINDO DIAS SAMPAIO, ANGOLA 1971-73
- ANTÓNIO AZEVEDO, GUINÉ 1971-73
- ARMINDO ALVES, GUINÉ 1968-70
- JOAQUIM COELHO COSTA, ANGOLA 1973-75
ANTÓNIO DIAS VIEIRA, ANGOLA 1964-66
ARMANDO GOMES ALVES, ANGOLA 1969-71
José Manuel Oliveira, presidente do Núcleo de Vizela da Liga dos Combatentes.

Presidente da Câmara, Dinis Costa, de visita a exposição militar no jardim
As condecorações foram impostas pelo Coronel Santos Pinto, e o Capitão Samuel Gomes, do Regimento Cavalaria nº 6, de Braga. O Presidente do Núcleo Vizela, José Manuel Oliveira convidou o Presidente da CM Vizela, Dinis Costa e os Presidentes de Junta de Freguesia para cumprimentarem os combatentes agraciados.


Segui-se uma homenagem a todos aqueles, que foram capazes de sacrificar a própria vida, combatendo em defesa da PÁTRIA, ou seja, aos mortos em combate, com a colocação de uma coroa de flores no monumento fixado no jardim Manuel Faria.
José Manuel Oliveira convidou o Capitão Carlos Oliveira, Comandante da Companhia de Caçadores nº 13, de Bissorá e Nova Vizela-Guiné, a colocar um ramo de flores em memória de Humberto Ferreira, o vizelense que foi recordado. Manuel Pereira da Compª Artª 491,a colocou também um ramo de flores, em memória dos camaradas da Companhia falecidos. Ao som da dupla de clarins, Joaquim Peixoto e Justino Peixoto, foi executado o “toque de silêncio”, seguido do “Toque de Homenagem aos Mortos em defesa da Pátria”, um minuto de silêncio e a “Alvorada”, simbolizando assim o renascer daqueles que, em espírito, continuam a servir de exemplo.
Manuel Pereira, usou da palavra, aludindo ao ato, em representação da Companhia de Artilharia 491 recordando um pouco a vida militar de outrora;
Seguiu-se depois o ato da entrega de Medalhas comemorativas das Campanhas militares. Momento alto, para os Combatentes que tão dignamente disseram presente, no período de 1961 a 1975, na Guerra Colonial.
A cerimónia encerrou com o Hino da Liga dos Combatentes e a Visita à exposição fotográfica “no Bunker”,no Jardim M Faria. Na E S Vizela decorreu o almoço de confraternização e momento musical levado a cabo pelo Grupo de Cavaquinhos da Casa do Povo de Vizela.



MEDALHA COMEMORATIVA DAS CAMPANHAS
A Condecoração foi criada em 30 de Novembro de 1916, pelo Decreto n.º 2870, a Medalha Comemorativa das Campanhas comemora as campanhas das Forças Armadas Portuguesas, fora de Portugal metropolitano, principalmente face ao contexto da entrada portuguesa na I Guerra Mundial. A medalha comemorativa das campanhas e a medalha comemorativa de comissões de serviços especiais são atribuídas a quem tenha participado em operações militares ou desempenhado uma comissão durante um período mínimo de seis meses ou durante todo o tempo da sua duração, se esta for inferior a seis meses, podendo esse período ser menor nos casos de acidente ou doença em serviço que impossibilitem a sua conclusão.
Esta medalha funciona como medalha geral, sendo cada campanha específica, indicada pela colocação de uma passadeira na fita, da mais recente acima à mais antiga abaixo.

DESENHO DA MEDALHA
No seu desenho, desde 2002, consta:
Anverso:
Emblema nacional rodeado de um listel circular com a legenda «CAMPANHAS E COMISSÕES ESPECIAIS DAS FORÇAS ARMADAS PORTUGUESAS», em letras de tipo elzevir, maiúsculas, a legenda cercada de duas vergônteas de louro, frutadas e atadas nos topos proximais com um laço largo; encimando este conjunto, uma coroa mural de cinco torres.
Reverso:
Disco tendo, na parte superior, uma Bandeira Nacional. Sobrepostas a ela, e medindo quase todo o diâmetro, as figuras de um soldado do Exército, à dextra, um soldado da Força Aérea, ao centro, e um marinheiro da Armada, à sinistra, de pé e firmados num pedestal; o disco rodeado da legenda «ESTE REINO É OBRA DE SOLDADOS», em letras de tipo elzevir, maiúsculas, num listel circular, rematado inferiormente por um laço largo; encimando este conjunto, uma coroa mural idêntica à do anverso.